10 de janeiro de 2009

Sobres as voltas

Para Murilo, e para mim.

Minhas chegadas são voltas e possuem um cheiro estranho e branco de partidas. Limpas das ordens que desvio, dotadas de vontades únicas e decifradoras do meu íntimo, oblíquas e deslocadas dos limites impostos pelas horas quando absorvidas na luz dos dias. A luz dos dias e as suas margens estreitas... E na escuridão de temporais rápidos como os que propiciam minhas fugas que assumo, eu ganho o tamanho que gritam meus sentimentos em implosões silenciosas. Porque no escuro eu ganho asas e não há velocidade que me assassine. E mesmo que eu não enxergue os atalhos, sei por onde seguir nas idas todas vindas de mim a mim, sempre.
Não me interessam certas evidências. Se faço das chegadas sem saídas minhas partidas, as voltas são uma porção de nortes amarrados ao peito, encantando as paisagens cada vez menos conhecidas até serem tomadas por um súbito de ineditismo. Pensamentos às voltas em igualdade surpreendente. Se vão sem me fazer ausências, num impulso em estabelecer recomeços, estes términos emendados. Olho-me em reflexos estalados: os temporais, as chegadas, as voltas, as partidas.
Faço eu aqui com os pés no mesmo chão. Eu permaneço apenas o que não me interessa carregar. Demais, o que, de fato, me conjuga faz viagem sem passagem. Torno-me presente, em frente, com a experiência quase incerta de uma vida a ser vivida sem antes ou depois.

"Poço lado e sujo, cria do descaso
Alimentando folhas em branco e preto
Outra epidemia desanima quem convive com medo
Botões e atalhos amplificam a distância
E a preguiça de estar lado a lado veste a armadura
Esse é o poder solitário"
ORappa

16 comentários:

Flávia disse...

Torno-me presente, em frente, com a experiência quase incerta de uma vida a ser vivida sem antes ou depois.

Esse tem sido meu aprendizado, sabia? Viver sem antes ou depois, porque hoje é sempre o melhor dia... porque os passos que fazem toda a diferença não precisam mesmo de memória. E assim, eu volto a mim. E vou, por mim, para mim, para ir a outrem sem me perder.

Bem-vinda de volta, amiga-metade.

E esse lay, hã? Totalmente lindo!

Amo vc. Um beijo, uma flor e um bombom de cupuaçu :)

meus instantes e momentos disse...

muito bom, parabens pelo post.
Tenha um feliz domingo.
Maurizio

Lizzie disse...

As dúvidas nos perseguem sempre, sem cessar. Acredite: com os pés no chão e a cabeça nas nuvens é como eu também tenho andado. E não é maléfico.

Beijocas
www.lizziepohlmann.com

Monday disse...

bem, você já havia me mostrado a primeira sentença ... o resto ficou ótimo, digno da entrada, até a sobremesa, sem antes ou depois ...

acho que é como eu tinha comentado contigo, moça, um moto-contínuo, zerando a cada passada pela linha de recomeço, eterno ir e vir dos seus pensamentos e de você toda ...

não tinha te falado ainda sobre o novo layout, certo? eu diria que a menina-moça parace ter virado moça-mulher ...

beijo carinhoso, Patch de Flás ... rsss

Murilo Lima disse...

Pati!!!!
Pessoa encantadora.
De todas essas indas e vindas, que o mundo se torne pra nós, uma fuga sem limites, até onde o vento possa chegar.

Ao infinito, sem antes ou depois.

Obrigado pela dedicatória!
Adorei o texto, que é cheio de você, e de um pouco, do eu.


beijo!

Sunflower disse...

A Kimya Dawson canta meus sentimentos sobre esse texto:

http://www.youtube.com/watch?v=Lqr7l8lrqUg

Adoro o novo layout!


Beijas

Ceisa Martins disse...

Nossa... Intenso e lindo!
Adorei minha amiga virtual preferida!
:)

Saudades de conversar com vc!

Beijos!

Isaque Viana disse...

Muito bom isso aqui, hein?
Olha, eu vou ser sincero, eu não gosto muito de layout com fundo preto, mas o seu mudou o meu conceito. Bem bacana.

bj

Sam disse...

Olá moça bonita, dos versos de ouro!

Agradeço sua visita e o recadinho que deixou lá em casa, no "Vou te contar..."

Fico feliz com suas palavrras de carinho e espero que tenha se sentindo acolhida por lá;
Volte sempre sua presença é bem vinda.

Também levo nortes em mei peito. nada de mapas, bússolas, nem GPS rs.... guio-me pelo coração.

Abraços, flores e estrelas...

Mai disse...

Oi, Patrícia.

Este é o caminho sempiterno do amor.
Beijos, querida.

Leonardo Werneck disse...

Arrasa como sempre!

"Torno-me presente, em frente, com a experiência quase incerta de uma vida a ser vivida sem antes ou depois."

Maravilhoso!

beijo

Anônimo disse...

Although no one may go back and make a new starting point, anyone may start now and make a new ending!

I miss you dear!

Matt Cortez

.raphael. disse...

Surpreendente. Muito legal esse texto, relfexivo demais. "Porque no escuro eu tanho asas e não há velocidade que me assassine." Posso copiar isso!?!? hehe

beijos sempre! :)

Ruberto Palazo disse...

Pescadora, ao ler vi diferentes facetas. De um viajante sem casa, sem terra e sem chao ou até mesmo dos corações habitantes de amores alheios e cada vez mais sem lugar, sem coração, sem lugar para descansar...

Intenso, como sempre és...

Beijo

Michelle Dangeli disse...

Feliz Ano Novo!

vinilliterario disse...

Dale Murilo!