14 de março de 2009

Das posses que somos nós

Eu guardo em mim inteira a sensação ativa de ser corpo e sentimento dirigidos a um outro sentimento e corpo quando ouço as imagens desenhadas de tuas palavras, todas tônicas e urgentes, emergindo a minha certeira condição:

_ Você é minha.

O que eu soube desde então é que fui notando o crescer das peles, cada vez mais necessitadas de toque e outras, a tua na tua voz distante acariciando esse meu descontrole. E que, por mais que eu cresça e impere minha liberdade de ser sem transitividade, tenho as mãos inquietas, as linhas das mãos ainda sem fins. Os meus ouvidos detestando sinais pronominais, o meu corpo sem possuir dono... A alma ainda nua de leis, contratos e atividades.
Você disse o que eu não podia reconhecer. Porque sobre tais condições, o saber torna-se um elemento suicida. E meus membros assim, atados ao teu endereço, como podem ainda me conduzir? Tenho pés que se comunicam com o que há de vir. Os olhos conhecedores das cores dos teus. Não admito e não faço força para as dores das intromissões.
Quero, pois, as dores de se ter inteiro que é efêmero. Esses sentires... Mas eu não digo feito gente que pensa umas fórmulas para proferir sentidos estruturados: ainda faço uso da linguagem que apenas os teus sentidos primitivos nascidos compreendem. Eu guardo em mim.

_Eu sou, sim.

14 comentários:

Estava Perdida no Mar disse...

O nascimento da paixão. A melhor fase de pertencer

Lilian Dalledone disse...

Sim, você é...
E eu te admiro por isso tb.

NiNah disse...

Nossa tu és linda.
Adorei seu texto.
Bjo

Isaque Viana disse...

Saudade danada de você, pati!
Acho que adoro você pq és assim, inteira sentimento.
Texto lindo. Tudo lindo.

Beijo, tá?

zac playssom boladão

Anônimo disse...

Oi patricia é o kadu!
fazum poema, texto ou um troço para mim em forma de musica, para eu e o reizinho gravar!

Liene disse...

Patrícia,
Que bela forma de expressar sentimentos. Gostoso de ler.
Virei sempre aqui.
Um abraço carinhoso

.raphael. disse...

caralho...(ops,. desculpa o palavrão) hehe
sem palavras... ou com palavras para entender todo esse sentimento.

Beijao!

Beatriz disse...

Quando se é, assim, inteira, de alguém, a alma se despreende e voa nas asas da paixão, do amor, da entrega, de tudo que existe para além da própria pessoa e vai buscar nas palavras um pouco do seu próprio sentir... e apesar de ser um feixe de palavras, por vezes, nada diz, tal a dimensão do ato, do sentimento, da emoção, e mesmo sem nada dizer... diz tudo!

Mais um dos teus belos textos, amiga, para nos encantar o olhar no mistério do teu sentir.

Fica um beijo e uma rosa azul, com meu carinho.

Sam disse...

Adoro sua casa!

Sempre muito bom chegar aqui e navegar por tuas linhas!

beijos meus

Celine Ramos disse...

Maravilha!
E é uma reflexão rápida...o tempo de todos os pelos se arrepiarem.
Beijos, querida.

' Rôh disse...

Perfeito...
Sempre tem textos lindo por aqui...
XD

Xeruu...

Monday disse...

Pati, isso me lembrou quando a gente quer dizer algo pra alguém que se gosta e, depois de meia hora de falas e falas, sintetiza tudo em uma única palavra ... rsss

mas ao menos a sua meia hora é uma delícia de se ler ...

.moony. disse...

oi :D
adoro vir aqui, apesar de às vezes demorar um pouco xD mas o tempo é escasso!
adoro a forma como vc escreve, tão interior!
bjo
teh +
o/*

Ígor Andrade disse...

O último parágrafo é uma poesia que levo em mim. O óbvio e absurdo, tudo muito primitivo.
Abraços, em pacotes! rs