31 de maio de 2009

Até em verso

E eu te vi pela última vez,
o último segundo da vista,
dos meus olhos,
o teu semblante.

E sobro-me:

Agora eu despeço de mim.

13 comentários:

Jú Carvalho disse...

Você e eu somos uuuuuuum (8)
somos 1
e um caso sério também x)
me lembrou essa música.
Apesar de o poema ser bem mais que isso. ou não ser nada disso.

Adoro seu jeito leve, meigo, mas extremamente profundo de escrever essas coisas!

Nanda disse...

e sempre uma ultima vez...

Lucas Lima disse...

Muito bom teus escritos...
Densos diria eu, mas a maior beleza está nas nuvens mesmo, né? rsrs
Boa semana.

Afobório. disse...

acho que é possível perder-se de si, mas só às vezes.

muito bom, sorte e luz.

ediney disse...

poesia curtinha e precisa...torturada lírica para ser lida em dias de chuva e vento frio

.raphael. disse...

sem palavras!!
sinto uma manifestação de idéias surgindo com a proximidade de tal evendo o mes q vem :D
com muita pinga!!

beijos de sempre!

Sam disse...

Espero que retorne a si, dentro do bater do teu próprio coração.
Sabe, ele bate! Seiq ue ainda bate!

Preste atenção!

Beijos Meus

Ígor Andrade disse...

Depois do teu comentário e desse poema, ando mais curioso (do que nunca) sobre tua vida, Pati. Tu sobras... nos versos que eu não li, ainda...
Abração!

Isaque Viana disse...

O que eu gosto, sempre gostei, é a pluralidade dos versos teus.

Thaís Velloso disse...

adorei seu blog, seus versos são lindos :D vou seguir ! beijos.

Anne disse...

Que lindo isso, mas nao sei pq, achei um pouco triste. Lindos versos.

Menina, onde andas?
Manda notícias.
Saudade de ti, mta.
Bjos

Sunflower disse...

Bela,

venho aqui e te leio, te leio. SEMPRE. Muitas vezes eu nem sei nem o que comentar.

é tudo culpa da boniteza que escreves.

beijas

Renata de Aragão Lopes disse...

Gostei!