16 de maio de 2009

Resta-me fechar os olhos

"No escuro e vendo,
No escuro e vendo"
(Arnaldo Antunes)

Meu peito vestido de vermelho, todo paixão, estruturou meus braços para garantir um abraço entrelaçado, aquele teu guardado sob as minhas medidas. Você garantiu-me passeios, mãos gerando calor, a cama dividida; um universo de suspiros, alívios e devoção. Então, enfeitei esta composição e estampei raros perfumes, tantas harmonias. Todas as ações conjugadas, primeira pessoa urgente. E reconheci, enfim, as palavras saídas com o teu sotaque e plantei flores rodoviárias.
Foi quando mirei o que estava acima dos meus faróis, um ar sem portões. Vi-me sem concordar tantos predicativos – os passeios e meus sorrisos, as mãos – minha e tua -, a cama e a vida inteira unidas. Limpa, nua, tua. Mas – e não é? – o querer só vale-se dos contratos e sobrenomes, os tais endereços... E, visto que não inaugurei nascimentos, outras presenças não cabiam.

Como já não caibo mais agora.
Ou eu não era, não fui. Não devo ser. Não serei, certo, pra você. E aí resta-me fechar os olhos: ao sorrir no escuro tateio as distâncias exatas e contadas. E encontro-me.

12 comentários:

Kiara Guedes disse...

e é essa danada da existência sempre nos cobrando coragem...
bjs

Filipe Garcia disse...

Que bonito, Patrícia. Sabe daquelas palavras que você mais carrega pra si do que compreende em inteireza? Fiz assim das suas. De algumas partes não fui cúmplice - não prezo essa paixão desmedida, prefiro os pés no chão, um cuidado para preservar os sonhos vindouros. Apesar, me pego, por vezes, querendo a poesia do romance tresloucado, essa doidera de encontrar o outro dentro de si e vice-versa.

O bom, ao fim, foi que a personagem percebeu da necessidade de estar só pra um concontro consigo. E é assim.

Um beijo!

Ígor Andrade disse...

No escuro eu enxergo melhor.
Como anda o mestrado?
Pacote de abração, Pati!

Sam disse...

As vezes eu também me perco de mim, em mim.

Ai basta qualquer pista, qualquer respiração além... que me reencontro sem querer voltar atrás. Só na perda do outro comigo.

Beijos e carinho sempre,
Sam

Késia Maximiano disse...

O escuro as vezes nos faz enxergar, não é mesmo?
Beijo grande!

Quentin Frangini disse...

O que te falta enderder, é que você apenas acha que é alguma cvoisa, quando na verdade, isso não tem a mínima importância!

Fora isso, fantástico!!!

.raphael. disse...

Que bela maneira de contar onde vc se encontra! :)

os pontos presentes da sua presença, sejam no escuro, sejam no tato.

E de olhos fechados, para quem quiser te achar, tentar fazê-los abrir! :D

o beijo de sempre, minha cara!

Moça do Fio disse...

Não caber mais traz tantas consequêcias... mas ao mesmo tempo, permite que nos encontremos, que nos conheçamos mais.

Boa sorte no encontro com você mesma.

Beijo.

Isaque Viana disse...

Oxente, fiquei até avexado...
ê danada arretada, sô!
Trem bom demais da conta, uai!
Deu até vontade de Tomar um leitE quentE agora.

rs.

Pá, foi apenas uma tentativa de dizer, com todos os sotaques que lembrei:

Cê é linda, rapá.

bj.

Mustafa Şenalp disse...

a nice site.:)

Talita Prates disse...

Amei seu blog........................... mto bom!
Bjo, e paz.

Nanda disse...

tudo tao sensivel. tuas palavras brincam de ciranda, mesmo quando em versos se perdem de ti ao teu encontro apenas.

lindo!